Juruá Online

Variedades

Após ataque hacker, portais da Justiça Federal do DF e de 13 estados completam mais de 24 h fora do ar

Um ataque hacker ao sistema do Tribunal Regional Federal 1ª Região (TRF-1) fez a Corte retirar do ar, nesta sexta-feira (27), os portais da Justiça Federal do DF e de 13 estados. Com isso, consultas a processos e a emissão de certidões online permanecem indisponíveis há mais de 24 horas.

Em nota, a administração do tribunal confirmou a invasão, disse que "tomou ciência do acesso indevido ao seu ambiente de dados" às 19h de quinta (26) e, por isso, decidiu colocar todo o sistema em modo restrito "impedindo qualquer acesso remoto" (leia mais abaixo o comunicado na íntegra).

"A equipe da Secretaria de Tecnologia da Informação deste Tribunal Regional Federal permanece trabalhando e espera, já neste sábado, dia 28 de novembro de 2020, iniciar, de forma gradativa, o restabelecimento dos serviços de TI para acesso externo, à medida que for garantida a segurança adequada."

Até então, o ataque de hackers ao portal era considerado suspeito. Entretanto, nas redes sociais, supostos autores da invasão comemoraram o acesso e disseram ter capturado os dados do Judiciário, mostrando a "vulnerabilidade" do sistema do TRF-1 (veja imagem no topo da matéria).

A Corte informou ainda que, considerando a gravidade do ocorrido, já "adotou as medidas jurídicas destinadas à pronta apuração dos fatos" e que, apesar do acesso de pessoas não autorizadas ao sistema, "não se verificou a existência de danos ao ambiente computacional" do tribunal.

O TRF-1 reúne processos do DF e dos seguintes estados:

  • Acre
  • Amazonas
  • Roraima
  • Rondônia
  • Amapá
  • Pará
  • Mato Grosso
  • Tocantins
  • Maranhão
  • Piauí
  • Bahia
  • Minas Gerais
  • Goiás 

Outros ataques hackers

No dia 3 de novembro, o sistema de informática do Superior Tribunal de Justiça (STJ) foi alvo de um ataque cibernético. A corte acionou a Polícia Federal para investigar o caso.

À época, todas as sessões de julgamentos do tribunal foram suspensas e, por "precaução", os prazos de processos foram adiados para até o dia 9 de novembro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, defendeu a necessidade de aprimoramentos nos sistemas digitais do Poder Judiciário.

De acordo com o ministro, os ajustes são necessários porque ainda está em andamento o projeto Juízo 100% Digital, que prevê a realização de todos os atos processuais exclusivamente por meio eletrônico e de maneira remota.

Na mesma semana, no dia 5 de novembro, a Secretaria e Economia do Distrito Federal identificou uma tentativa de ataque hacker aos sistemas do Governo do Distrito Federal, o GDFNet. O sistema de comunicação do Ministério da Saúde ficou fora do ar no mesmo dia, deixando o órgão sem internet, telefone fixo e emails corporativos.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com sede em Brasília e jurisdição sobre 13 estados da Federação e o Distrito Federal, vem a público esclarecer que, na noite dessa quinta-feira, dia 26 de novembro de 2020, por volta das 19h, tomou ciência de acesso indevido ao seu ambiente de dados.

Leia íntegra da nota do TRF-1

"Em razão disso, resolveu adotar medidas destinadas a isolar totalmente os serviços dos sistemas oferecidos aos usuários externos do TRF1, impedindo qualquer acesso remoto.

Deve ser pontuado que, ao mesmo tempo em que trabalhava para o restabelecimento dos seus sistemas de informática, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, ao longo de todo o dia desta sexta-feira, 27 de novembro de 2020, considerando a gravidade do ocorrido, adotou as medidas jurídicas destinadas à pronta apuração dos fatos.

É de se informar ainda que a equipe da Secretaria de Tecnologia da Informação deste Tribunal Regional Federal permanece trabalhando e espera, já neste sábado, dia 28 de novembro de 2020, iniciar, de forma gradativa, o restabelecimento dos serviços de TI para acesso externo, à medida que for garantida a segurança adequada.

Por fim, segundo os elementos levantados até o momento pela Secretaria de Tecnologia da Informação não se verificou a existência de danos ao ambiente computacional deste Tribunal Regional Federal."

Diego Maradona morre aos 60 anos

Maior jogador da história da Argentina e lenda do futebol mundial, Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira (25) aos 60 anos.

O craque argentino sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa na cidade de Tigre, segundo o jornal argentino "Clarín".

O "pibe de ouro" sofreu uma delicada cirurgia no cérebro no começo do mês e recebeu alta oito dias depois, após drenar uma pequena hemorragia no cérebro.

O médico Leopoldo Luque afirmou na ocasião que a cirurgia era considerada simples, mas havia preocupação pela condição de saúde do ex-jogador.

Campeão mundial na Copa de 1986, quando ficou eternizado pelos gols que marcou contra a seleção da Inglaterra, Maradona era reverenciado e tratado como Deus na Argentina.

“Muitas vezes me dizem: você é Deus. E eu respondo: vocês estão equivocados. Deus é Deus e eu sou simplesmente um jogador de futebol”, afirmou o craque argentino em 1991.

Seu gol de mão contra a Inglaterra ficou mundialmente conhecido pela "mão de Deus". O outro gol, em que Maradona driblou metade do time (inclusive o goleiro), foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo

Maradona também jogou as Copas de 1982, 1990 e 1994. Em 1990, ele e Caniggia fizeram a jogada que eliminou a seleção brasileira nas oitavas de final. Em 1994, foi pego no exame de antidoping e foi cortado da seleção argentina.

Maradona conviveu com um problema com as drogas durante toda a sua vida.

ego Armando Maradona nasceu em 30 de outubro de 1960 em Lanús, na província de Buenos Aires, e era técnico do Gimnasia y Esgrima, um pequeno time argentino.

O craque cresceu em Villa Fiorito, um bairro muito pobre da periferia de Buenos Aires e começou a sua carreira no Argentinos Juniors, clube em que foi revelado com apenas 15 anos.

Maradona atuou entre 1976 e 1981 no Argentinos Juniors, fez 116 gols em 166 partidas e se transferiu para o Boca Juniors, onde ficou apenas uma temporada.

Um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, ao lado de Pelé, ele logo se transferiu para o Barcelona, onde atuou entre 1982 e 1984.

Na época, o craque argentino foi a transferência mais cara do futebol até então: US$ 8 milhões (US$ 21,5 milhões em valores corrigidos pela inflação).

De lá foi para o Napoli, na Itália, onde jogou ao lado do brasileiro Careca e ganhou uma Copa da Uefa, dois Campeonatos Italianos, uma Copa e uma Supercopa da Itália.

Maradona deixa três filhas (Dalma, Gianinna, Jana) e dois filhos (Diego e Diego Fernando).

 

 

 

 sicredi2.png

© Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA