natal_final.png

Política

Candidato pede impugnação de candidata eleita em Tarauacá

A Coligação Juntos Faremos Melhor, integrada pelos partidos PSDB e Democratas, encabeçada pelo candidato à prefeitura de Tarauacá, Abdias da Farmácia e a sua vice, Bebé Damasceno (PSDB), entraram na justiça eleitoral nesta quarta-feira, 25, sob Autos nº 0600203-61.2020.6.01.0005 pedindo a impugnação da candidatura da prefeita eleita, Maria Lucineia (PDT) e do vice Raimundo Maranguape (PSD) por suposto abuso de poder econômico.

Na petição, a coligação de Abdias alega ter recebido diversos materiais de vídeo e fotos, realizados por populares, que demonstram diversas pessoas recebendo combustível no posto Balsa Pontão Figueiredo, de propriedade de Jonh de Brito Figueiredo, supostamente sobrinho do candidato a vice-prefeito Raimundo Maranguape.

 Por fim, Abdias pediu a suspensão da diplomação de Maria Lucineia e de Raimundo Maranguape, em tutela antecipada, e que sejam enviados os relatos ao Ministério Público Eleitoral para instauração de investigação.

Ao ac24horas, os advogados de Maria Lucineia, por meio de nota, descartaram qualquer indício de práticas ilegais no pleito municipal que possam corroborar um suposto abuso de poder econômico.

“Não existe qualquer indício de práticas ilegais, configuradoras de abuso de poder econômico, hábeis para promover o desequilíbrio no pleito eleitoral. O que se tem é uma politicagem barata de quem não aceita o resultado das urnas, desta forma não estão respeitando o processo democrático. A defesa será feita no sentido de julgar extinto o processo sem julgamento do mérito. E que até o presente momento a prefeita eleita não foi intimada”, escreveu em nota.

Por fim, os advogados destacaram que tanto a candidata eleita Maria Lucinéia e o vice Maranguape, fizeram uma campanha limpa, sem ataques e focada em propostas. “Desta forma a população acreditou e nos deu a vitória, obrigado a todos”, afirma.

Em outro trecho, a coligação relata que o frentista, Jair de Carvalho Andrade, do referido Posto, teria um caderno de anotações em que haviam informações de pessoas que retiravam combustível, arguindo que se tratava de “saldo”, sem qualquer outra explicação e sem saber informar quais requisições anteriores que originaram referido saldo.

A coligação alegou que Jonh de Brito Figueiredo, responsável legal do posto, rapidamente se deslocou até o local e informou aos policiais que levaria cópia da documentação necessária para comprovar a licitude das entregas dos combustíveis, porém, sem prestar qualquer outra informação que pudesse refutar a denúncia de compra de voto por combustível.

“Imperioso destacar que, após tomar conhecimento do ocorrido o atual vice-prefeito e vereador eleito, Francisco Feitoza Batista “Chico Batista”, dirigiu-se a casa do senhor Michelski, acusando-o de ter sido o responsável pela denúncia prestada a polícia civil, tendo, inclusive, desafiado a vias de fato, em claro ato de desespero, sendo a atitude Gravada em vídeo já amplamente divulgado na sociedade tarauacaense”, afirmou Abdias.

Página 1 de 16

 

 sicredi2.png

© Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA

Image
Image
Image

PUBLICIDADE

Image