Juruá Online

RITA ANDRADE

A linha de chegada aguarda o tempo certo

            Nos últimos tempos, o atual momento plantou em nosso cotidiano a palavra paciência ainda mais forte e não teve jeito: tivemos que ralar e ainda nos encontramos ralando, dia após dia para aprendermos a lidar com essa nova intensidade de força. Posto isso, vi que dentro do meu texto anterior, o qual abordava sobre os relacionamentos amorosos na vida das pessoas com deficiência ficou um fiozinho solto, relacionado a essa palavra e dentre outras coisas, eu vim amarrá-lo.

            Pois bem! Quase sempre temos uma pressa danada por aquilo que desejamos.  Queremos que tudo venha logo, da noite para o dia. Mas não é bem assim! Todas as coisas têm um tempo para acontecer. Entretanto, a espera dessa hora propícia acaba estruturando muitas perguntas e incertezas na gente, principalmente, dentro de nós, pessoas com deficiência. Isso ocorre graças aos tabus e obstáculos que são pregados pela sociedade em relação aos nossos relacionamentos amorosos. Com base nisso, existem alguns questionamentos que são bem mais proclamados, como, por exemplo: “Será que vou namorar, casar e construir um lar primeiro ou depois do que fulano?”, “Será que ele (a) vai me querer junto com a deficiência que carrego?”, “Será que essa pessoa irá me amar tanto ao ponto de me ajudar nas dificuldades cotidianas sem reclamar?”, “Será que um dia isso realmente irá se concretizar?”

            Para a gente, conviver com esses serás rodeados de dúvidas se torna mais difícil. A impaciência acelera ainda mais o passo quando a idade avança e cogitamos “ficar para a titia” (rsrs). Mas aí, Deus ergue novamente a palavra paciência e, além de nos lembrar do quanto é significativo exercitarmos o nosso lado paciente, nos faz sentir a certeza que todas essas perguntas terão as respostas no instante adequado. E não tem problema se vai demorar 10, 30, 50 anos, porque o que importa verdadeiramente é você ter a convicção de que a linha de chegada aguardará o seu tempo para ser atingida.

Ritinha Andrade

 

 sicredi2.png

© Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA